Foto: Divulgação | DetranRS

Brasileiro gasta quase 5 horas semanais para ir ao trabalho; pandemia pode mudar essa logística

Pesquisa do IBGE mostra que moradores da região sudeste são os mais afetados no tempo de deslocamento, com 5,4 horas semanais

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A Pesquisa Nacional de Saúde, divulgada nessa sexta-feira, 7, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), traz um recorte sobre o tempo que o brasileiro gastava indo para o trabalho antes da pandemia. Os dados são referentes ao ano de 2019, momento no qual se constatou que 86% das pessoas com 15 anos ou mais se deslocavam de casa para o trabalho e vice-versa. A maioria delas era do sexo masculino.

A estatística chega a 89% para eles e cai para 83% para elas. Quanto ao tempo gasto, nacionalmente, a média é de 4,8 horas. Os moradores da região sudeste eram os mais prejudicados: gastando em média 5,4 horas por semana, mais de uma hora por dia, considerando o trajeto de ida e volta Em São Paulo, capital, o número foi o maior do país: 7,8 horas por semana em deslocamento.

A analista da pesquisa, Maíra Bonna Lenzi, diz que a pesquisa reflete não só a concentração populacional, mas também a centralização das oportunidades de trabalho nos grande centros, fazendo com que aconteçam as migrações diárias das regiões periféricas. “A densidade demográfica e o tamanho do município fazem com que as pessoas se expandam cada vez mais para fora dos centros urbanos e se concentrem as periferias. Com isso, elas ficam mais ainda distantes do trabalho.

O professor Paulo Resende, da Fundação Dom Cabral, é especialista em planejamento de transportes e logística. Ele analisa que a mobilidade urbana passa por um momento atípico e algumas tendências podem se impor. “Haverá o que eu chamo de ‘micro movimentos’. As pessoas vão espalhar. O que é que significa isso? Elas vão evitar os horários de pico, o que não faziam antes. Agora, se forem trabalhar, pode ser que as empresas comecem, por exemplo, a mudar o horário de trabalho, justamente para não haver a exposição ao pico da manhã, da noite”, explicou. Mas, segundo ele, melhorias definitivas, deslocamentos mais inteligentes pós-pandemia só virão se houver políticas públicas. (Jovem Pan)