Reprodução/Facebook

Justiça proíbe Governo Federal de fazer propaganda de “tratamento precoce” contra Covid-19

Juíza também pediu retratação pública de influenciadores contratados pelo governo para defender “atendimento precoce” nas redes

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A Justiça Federal em São Paulo proibiu, na noite desta quinta-feira (29), que o governo de Jair Bolsonaro promova campanhas publicitárias em defesa do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19 ou o uso de medicamento sem comprovação científica contra a doença, como a cloroquina e ivermectina.

Segundo informações do UOL, a juíza Ana Lucia Petri Betto também obriga a retratação pública dos quatro influenciadores contratados pelo governo para defender o “atendimento precoce” nas redes sociais.

“[Que] a SECOM se abstenha de patrocinar ações publicitárias, por qualquer meio que seja, que contenham referências, diretas ou indiretas, a medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, especialmente com expressões como ‘tratamento precoce’ ou ‘kit-covid’ ou congêneres”, escreveu a juíza.

A decisão atendeu a uma Ação Civil Pública da educadora Luna Brandão contra a campanha publicitária “Cuidados Precoces Covid-19”. O Ministério da Saúde e a Secretaria de Comunicação (Secom) pagaram R$ 85,9 mil a influenciadores para divulgar campanhas do governo sobre a Covid-19 nas redes sociais. Desse montante, R$ 11,5 mil foi repassado à ex-BBB Flávia Viana para que ela defendesse o chamado “atendimento precoce”, que não tem eficácia comprovada contra a doença, no Instagram.

Além de Flávia Viana, os influenciadores João Zoli, Jéssika Taynara e Pam Puertas também fizeram publicações patrocinadas pelo governo orientando o público a solicitar “atendimento precoce” nos hospitais caso apresente sintomas de Covid-19. Os famosos, no entanto, não citam o uso de cloroquina, ivermectina ou outros medicamentos.

Revista Fórum