Foto: Ricardo Giusti/PMPA

Prefeitura de Porto Alegre promove ações no Dia Internacional Contra a Homofobia

Cartilha vai orientar população LGBTQI+ sobre canais de atendimento e denúncias

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Dia 17 de maio é o Dia Internacional contra a Homofobia. Para marcar a data a Coordenadoria de Diversidade Sexual e de Gênero, da SMDS (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social), criou ações em formato híbrido.

Nesta segunda-feira (17), das 9h às 13h30, na Esquina Democrática, será realizado um ato simbólico para esclarecer os direitos e ouvir as demandas de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, transgêneros, pessoas não binárias, entre outros.

Será entregue uma cartilha, produzida pela Polícia Civil do Rio Grande do Sul em parceria com a SMDS, com os canais para denúncias e orientações em como agir em caso de homofobia. No local, também, haverá uma caixa de sugestões para que as pessoas coloquem suas propostas para promover uma cidade livre de homofobia e transfobia.

A coordenadora da Unidade de Direitos e da Diversidade Sexual e de Gênero da SMDS, Camila Rodrigues, destaca que as atividades têm por objetivo mostrar que as pessoas LGBTQI+ não estão sozinhas. “Nessa data, nós queremos mostrar que o normal é ter condições dignas de trabalhar, viver e prosperar. É tão direito nosso como de qualquer outra pessoa”, afirma Camila.

Virtual

Também nesta segunda-feira, às 16h, no facebook da secretaria, será realizado um debate virtual para tratar de temas como saúde, segurança e empregabilidade da comunidade LGBTQI+. A transmissão, conduzida pela coordenadora Camila Rodrigues, contará com a presença da delegada Andréa Mattos, diretora da Divisão do Idoso e Combate à Intolerância, da médica Gabriela Tizianel, coordenadora da área técnica de saúde LGBTQI+ da Secretaria Municipal de Saúde, e de Daniel Boeira, coordenador estadual da aliança nacional lgbtqi+ no RS e Coordenador da Rede Gay Brasil no RS.

Histórico

Em 1990, a OMS (Organização Mundial da Saúde) excluiu a homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde e determinou a extinção do termo “homossexualismo”. A partir deste ato, foi estipulado o Dia Internacional Contra a Homofobia, também conhecido como Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, com a intenção de incluir a população no combate à discriminação de homossexuais, bissexuais, transexuais e transgêneros.

No Brasil, um decreto da Presidência da República publicado em 4 de junho de 2010 instituiu o dia 17 de maio como o Dia Nacional de Combate à Homofobia. Vinte anos após a publicação da lei, o país ainda é um dos mais violentos contra a comunidade LGBTQI+. De acordo com uma pesquisa feita pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) com base nos dados do SUS (Sistema Único de Saúde), um LGBT é agredido por hora no país. A estatística parece mais cruel para pessoas trans: segundo o IBGE, a expectativa de vida de um(a) trans em terras brasileiras é de 35 anos. (O Sul)