Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini

RS já tem vacinas para avançar imunização de pacientes com comorbidades a partir de 40 anos

Na manhã desta segunda-feira (3/5), Estado recebeu 413.750 doses da vacina AstraZeneca/Fiocruz

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Do Sul21

O governo do Estado informou nesta segunda-feira (3) que já definiu que a maior parte das mais de meio milhão de doses de vacinas contra a covid-19 que chegaram ao Rio Grande do Sul nos últimos dias será usada para avançar a vacinação de pessoas com comorbidades. A aplicação das vacinas foi definida em reunião realizada pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB) com representação do Estado e dos municípios, por meio do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems-RS).

A maior carga de vacinas em posse do Estado é a Astrazeneca/Fiocruz, 458.614 doses, que será destinada para a aplicação da primeira dose a pessoas do grupo de comorbidades, incluindo gestantes e puérperas maiores de 18 anos, independentemente de condições pré-existentes, pessoas com comorbidades de 40 a 53 anos e pessoas de 40 a 54 anos com deficiência permanente cadastradas no Benefício de Prestação Continuada (BPC). Segundo o governo estadual, 413.750 dessas doses chegaram nesta segunda e o restante é remanescente da remessa anterior.

Às 19h45 desta segunda, deverá chegar a Porto Alegre a primeira remessa da vacina Pfizer Biontech, com 32.760 doses. Ela será destinada para postos de saúde de Porto Alegre, também para avançar a imunização de pessoas com comorbidades. Essa remessa faz parte da carga de 1 milhão de doses que o Brasil recebeu da vacina da Pfizer na última quinta-feira (29).

O Estado também recebeu uma remessa de 31.780 doses da vacina Coronavac, do Instituto Butantan, que será destinada para a aplicação da segunda dose em pessoas que receberam a primeira rodada há 28 dias ou mais.

Segundo o governo, as doses que já chegaram ou estão chegando ao RS são suficientes para aplicar a primeira dose em 661.659 pessoas com comorbidades.