Ato de ciclistas alerta para a difícil situação do Museu de Porto Alegre – Porto Alegre 24 horas

Ato de ciclistas alerta para a difícil situação do Museu de Porto Alegre

O Museu de Porto Alegre está oficialmente sem direção e tem sofrido com assaltos e dificuldades de preservação
Foto: Lucas Pitta

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Do Sul21

Cerca de cem de pessoas participaram, na manhã desse sábado (12), da “Bicicleata em Defesa do Patrimônio Histórico e Ambiental de Porto Alegre”. O ato teve o objetivo de chamar atenção para a situação do Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo. Em 2021, o museu já sofreu assaltos e depredações, além de passar por dificuldades para a manutenção do solar, como a falta de capina e poda de árvores, que ameaçam a estrutura da construção remanescente do século 19.

O museu está oficialmente sem direção. Houve a indicação do ex-vice-governador Vicente Bogo, mas até o momento a nomeação não saiu no Diário Oficial de Porto Alegre. A situação tem preocupado o corpo técnico e a Associação de Amigos do Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo (AAMJF).

“Mais de 70 pessoas se reuniram para iniciar a elaboração de um projeto de manutenção do caráter público do Museu, pois a prefeitura iniciou de forma unilateral a apresentação do espaço do Museu para a iniciativa privada. Pra nós, o patrimônio histórico não pode ser precificado, tem valor inestimável e é de toda a cidade”, explicou o vereador Matheus Gomes (PSOL).

Segundo os organizadores, o trajeto da “Bicicleata” foi escolhido para dar visibilidade a pontos simbólicos do patrimônio histórico e ambiental de Porto Alegre, como o Mercado Público, o Cais do Porto e a Usina do Gasômetro, encerrando em frente ao Museu.

“Defendemos a revitalização da Orla e do Centro Histórico, no entanto, esse processo deve ocorrer em diálogo com o conjunto da sociedade civil, privilegiando processos como a elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental. O que vi até o momento é a prefeitura pensando a cidade de modo fragmentado, o que é anti-democrático e favorece o interesses de segmentos empresariais específicos, como a especulação imobiliária, em detrimento do interesse coletivo”, afirma Gomes.

O ato foi organizado pela Associação de Amigos do Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo (AAMJF), a Frente Parlamentar da Cultura e a Frente Parlamentar em Defesa do Cais do Porto (ambas da Câmara) e contou com o apoio de coletivos culturais e estudantis.

Na última quinta-feira (10), uma audiência pública para debater os rumos do museu foi realizada pela Frente Parlamentar da Cultura.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade