Foto: Reprodução | Redes sociais

Carrefour e autoridades não fecham acordo sobre morte de homem em Porto Alegre

João Alberto Freitas foi morto por seguranças em novembro do ano passado

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O Carrefour, o MP (Ministério Público), a Defensoria Pública do Estado, o Ministério Público do Trabalho e outros órgãos não chegaram a um acordo para a assinatura de um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) com o objetivo de evitar ações judiciais sobre a morte de João Alberto Freitas, ocorrida em novembro do ano passado em uma unidade da rede na Zona Norte de Porto Alegre.

A reunião que discutiu o acordo, no valor de R$ 120 milhões, durou cerca de cinco horas e terminou na madrugada desta quinta-feira (10). Na quarta-feira (09), o Carrefour havia anunciado que estava avançando nas negociações com autoridades e entidades civis. Não há previsão de retomada das tratativas. O dinheiro seria usado em ações contra o racismo e reparações de danos.

No mês passado, Milena Alves, a viúva de Beto, como era conhecido o homem morto por seguranças do Carrefour no bairro Passo D’Areia, aceitou a proposta de indenização de mais de R$ 1 milhão. Ela estava com o marido na noite do crime. Outros familiares da vítima também foram indenizados.

Beto, de 40 anos, foi espancado até a morte por dois seguranças após um desentendimento no caixa do supermercado. O crime aconteceu no estacionamento, após o homem dar um soco em um dos seguranças, conforme mostram imagens de câmeras de vigilância.

O IGP (Instituto-Geral de Perícias) confirmou que a causa da morte de Beto foi asfixia. Segundo a Polícia Civil, houve um exagero nas agressões impostas à vítima. A investigação concluiu que não ocorreu injúria racial, mas que a morte foi motivada por “racismo estrutural”.

Seis pessoas denunciadas pelo MP respondem na Justiça por homicídio triplamente qualificado com dolo eventual. O MP incluiu ainda o racismo como forma da qualificação por motivo torpe. O crime provocou manifestações e atos de vandalismo no supermercado e em outras unidades da rede. (O Sul)