Prefeitura reúne forças de segurança e moradores para debater aglomerações no bairro Moinhos de Vento – Porto Alegre 24 horas

Prefeitura reúne forças de segurança e moradores para debater aglomerações no bairro Moinhos de Vento

Operações de fiscalização são constantes na cidade
Foto: Giulian Serafim / PMPA

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A Secretaria Municipal de Segurança promoveu na tarde desta terça-feira, 15, um encontro para tratar das frequentes aglomerações no bairro Moinhos de Vento. No último sábado, 12, os agentes da Guarda Municipal, Brigada Militar e Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) dispersaram cerca de duas mil pessoas na Rua Padre Chagas e arredores.

A convite do secretário municipal de Segurança, Mário Ikeda, participaram da reunião, representantes da Brigada Militar, Polícia Civil, EPTC, Guarda Municipal, Diretoria Geral de Fiscalização da Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Secretaria Municipal de Planejamento e Assuntos Estratégicos, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo e a direção da Associação de Moradores e Empresários do Bairro Moinhos de Vento (Ame Moinhos).

Ikeda afirma preocupação com os últimos acontecimentos no bairro. “Mesmo com a presença constante das forças de segurança, as aglomerações têm ocorrido de forma constante”, diz ele. Segundo o secretário, é preciso a união de toda comunidade para conter os abusos e garantir a manutenção do desenvolvimento econômico, não só no bairro Moinhos de Vento, mas em toda a capital. “Moradores, comerciantes e o poder público precisam estar juntos nessa luta. Nossa intenção é agregar, unir forças de todos os setores da sociedade para garantirmos a segurança social”, completa.

Comércio – O diretor da Ame Moinhos, Claudio Goldstein, afirmou que, além dos distúrbios causados aos moradores do bairro, os maiores prejudicados são os donos de bares e restaurantes. “Depois de praticamente um ano inteiro fechados por causa da pandemia, recebem queixas dos clientes com receio de comparecerem aos estabelecimentos, porque as ruas não apresentam segurança, devido ao barulho, sujeira e aglomerações”, salienta.

Os participantes também relataram que tem sido observado comércio paralelo de bebidas fora do horário permitido, através de tele-entrega, assim como o acúmulo de lixo e o excesso de sujeira nas calçadas.

No fim do encontro, foi definido que as operações de rotina serão mantidas com uma permanência maior das forças de segurança na região. Também foi agendado novo encontro para a próxima semana. (PMPA)

Mais noticias do Porto Alegre 24 horas

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade