Foto: reprodução

Atenção! Confirmado terceiro caso da variante Delta do coronavírus no RS

Trata-se de um homem, morador de Nova Bassano, na região de Caxias do Sul, que começou a apresentar sintomas em viagem ao Rio de Janeiro.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O Ministério da Saúde confirmou o terceiro caso da variante delta do coronavírus no Rio Grande do Sul. Trata-se de um homem, morador de Nova Bassano, na região de Caxias do Sul, que começou a apresentar sintomas em viagem ao Rio de Janeiro, em 24 de junho. Ele realizou o exame de RT-PCR de biologia molecular para diagnóstico da doença em 29 de junho e retornou ao Estado no mesmo dia.

O paciente e os familiares permaneceram em isolamento domiciliar e já foram liberados. Nenhum dos contactantes apresentou sintomas. O sequenciamento genético completo que comprovou se tratar da variante delta foi realizado pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), no Rio de Janeiro.

Os dois primeiros casos confirmados desta variante no Rio Grande do Sul foram de moradores de Gramado que têm vínculo, sem histórico de viagem para outro país ou Estado.

Além dos cinco casos suspeitos da variante delta que aguardam confirmação pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro – outro de Gramado, também contactante do primeiro caso confirmado, dois de Sapucaia do Sul, um de Esteio e um de Canoas –, o Laboratório Central do Estado (Lacen/RS) deverá enviar para análise, na próxima segunda-feira (29/7), mais quatro amostras de moradores de Alvorada, Esteio, Passo Fundo e São José dos Ausentes.

Delta

A linhagem delta (B.1.617.2) teve seu primeiro registro na Índia. A característica mais marcante desta variação, já comprovada cientificamente, é a maior transmissibilidade. Essa linhagem também apresenta uma diminuição da eficácia dos anticorpos produzidos pelas vacinas, sendo que apenas uma dose (nos esquemas que preveem duas) pode ser pouco efetiva contra essa variação.

Quanto à gravidade, ainda não há evidências de que a Delta provoque uma doença mais ou menos agressiva em relação às outras linhagens.

Acompanhe as informações sobre o registro de variantes do coronavírus no painel de vigilância genômica da Secretaria da Saúde (SES).

Principais sintomas

Antes, febre, tosse contínua e perda de olfato e paladar eram os sinais mais comuns da covid-19, porém a nova cepa tem manifestado mais dores de cabeça, de garganta, coriza e, por último, febre.

São sintomas de um resfriado leve, o que pode fazer com que as pessoas não deem a devida importância e continuem circulando, levando o vírus para outros lugares.

“As pessoas podem pensar que acabaram de pegar algum tipo de resfriado sazonal e ainda irem a festas. Elas podem espalhar o vírus para outras seis pessoas. Achamos que isso está alimentando grande parte do problema”, afirma o professor Tim Spector, que dirige um projeto de vigilância do coronavírus para o aplicativo Zoe Covid Symptom.

Além de provocar sintomas um pouco diferentes, também há indícios de que a variante Delta seja muito mais transmissível do que qualquer outra versão do SARS-COV-2.