Foto: Reprodução

Vacinas são eficazes contra a variante Delta da Covid-19? Veja o que se sabe até agora

Estudos apontam que os imunizantes da Pfizer e AstraZeneca previnem hospitalizações causadas pela cepa indiana, que já está em circulação no Brasil

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A variante Delta da Covid-19, registrada pela primeira vez na Índia, já foi detectada em mais de 90 países, inclusive no Brasil. Até o momento, o Ministério da Saúde registrou duas mortes causadas pela cepa, uma grávida de 42 anos em Apucarana, no interior do Paraná, e um homem de 54 anos, tripulante de um navio na costa do Maranhão. Recentemente a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta sobre a variante, que tem transmissão mais rápida e pode aproveitar o relaxamento das medidas sanitárias para se expandir. A entidade pediu que os governos redobrem a prevenção, mesmo em países com vacinação avançada, e reforçou que o cenário na América Latina é preocupante. Mas, afinal, as vacinas são eficazes contra a variante Delta da Covid-19?

Um estudo da Public Health England, agência de saúde pública do governo britânico, divulgado em junho, mostrou que a aplicação das duas doses do imunizante da AstraZeneca reduzem 92% das hospitalizações pela variante. Só com a primeira dose, a eficácia cai para 71%. Foram analisados 14.019 casos em pacientes com a cepa nos hospitais da Inglaterra entre 12 de abril e 4 de junho deste ano. Destes, 122 foram internados. O estudo britânico também testou a vacina da Pfizer, que mostrou 94% de efetividade contra internações com a primeira dose e 96% após a segunda. Uma outra pesquisa inglesa, da Universidade de Oxford com participação de cientistas brasileiros da Fiocruz, sugeriu que a variante Delta tem mais chances de causar reinfecções pela doença. Apesar disso, o estudo concluiu que vacinas de RNA mensageiro e vetor viral, como a AstraZeneca e Pfizer, são eficazes. No entanto, a capacidade de neutralizar a cepa é 2,5 vezes menor para o imunizante da Pfizer e 4,3 vezes menor para o da AstraZeneca.

Nesta quinta-feira, 1, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) informou que as quatro vacinas aprovadas pela União Europeia – Pfizer, AstraZeneca, Johnson&Johnson e Moderna – são eficazes contra a cepa indiana. Porém, a entidade alerta que é necessário tomar as duas doses para estar protegido. Além disso, a vacina da Janssen, que começou a ser aplicada no Brasil recentemente, fornece imunidade por pelo menos oito meses contra a variante Delta, segundo comunicado da empresa divulgado na última quinta-feira, 1º. O imunizante é o único aplicado com dose única até o momento. A CoronaVac, uma das vacinas mais utilizadas no Brasil, ainda não divulgou resultados sobre a eficácia contra a cepa. No entanto, a SinoVac, farmacêutica que produz o imunizante, afirmou que a vacina é eficaz contra as variantes brasileiras P.1 e P.2, detectadas pela primeira vez em Manaus e no Rio de Janeiro, respectivamente. Um estudo chinês publicado pela revista científica Lancet em maio também concluiu que a CoronaVac é efetiva contra seis variantes da Covid-19, a britânica B.117, a B.1.429, identificada na Califórnia, a sul-africana B.1.351, a nova-iorquina B.1.526 e a brasileira P.1.

Sputnik V e Moderna

Por enquanto, são utilizadas no Brasil os imunizantes da Pfizer, AstraZeneca, CoronaVac e Johnson&Johnson. A vacina russa Sputnik V foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com restrições, mas as doses compradas ainda não foram entregues ao Ministério da Saúde. A boa notícia é que o imunizante se mostrou 90% eficaz contra a variante Delta da Covid-19, segundo o fabricante, o Instituto Gamaleya. O Brasil também negocia a compra da vacina norte-americana da Moderna. A farmacêutica informou, em junho, que o imunizante previne contra a cepa indiana. Mesmo com o avanço da campanha vacinação, ainda é necessário estar atento às medidas de prevenção, como o distanciamento social, o uso de máscaras e álcool em gel. (Jovem Pan)