Foto: Getty Images

Chá de buceta existe? Sexóloga Cátia Damasceno diz que sim!

O segredo está nos movimentos do pompoarismo

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

“Tá viciado no meu chá, se lambuzando no meu chá”, já dizia a cantora Luísa Sonza. E o chá em questão não é o verde, o branco e muito menos o gelado. É o chá de pepeca mesmo. Mas será que isso existe?

A especialista em sexualidade feminina, Cátia Damasceno, responde sem titubear: “Claro que existe”, e ainda compartilha uma receita com nossos leitores.

Ingredientes

Você vai precisar de: sua buceta e muita determinação para exercitá-la.

Modo de preparo

De acordo com a especialista, essa receita é infalível e faz a parceria ficar encantada: “Eu costumo chamar de chá da xerolaine. O objetivo é dar um nocaute, fazer o par desmaiar”, brinca.

“Para preparar esse chá você precisa treinar bastante o movimento de chupitar e sugar a musculatura da sua xerolaine. É como se você estivesse fazendo o fisioculturismo da vagina”, ensina.

E faz o alerta: “Só as mulheres determinadas é que conseguem fazer isso, após muito treino. Mas também quando conseguem, ah, é muito bacana!”, garante a sexóloga.

“Cala boca e bota a boca aqui”

Mas então, o que é preciso para explorar 100% esse órgão sexual maravilhoso?

Cátia garante que o sucesso está no curso de pompoarismo: “Eu costumo ensinar três níveis. No nível básico, a mulher aprende o movimento de “aperta e solta” e não utiliza acessórios. Ao longo de cerca de duas semanas, ela já vai conseguir entender sua musculatura e praticar os movimentos. Em seguida você já segue para o intermediário, e já poderá usar alguns acessórios. O último passo é para as avançadas, que aprendem a usar as bolinhas de pompoarismo”, conta.

Por fim, Cátia promete que no curso é possível aprender manobras para usar 100% sua pepeca: “O pompoarismo é uma ginástica íntima, e como toda ginástica, precisa de treino, de prática. E isso é importante para você e sua vagina serem felizes e gozarem bastante. O homem ou um pênis são apenas coadjuvantes nesta brincadeira do ato sexual”, finaliza a expert. (Metrópoles)