Estudo indica grupo em que a CoronaVac gera resposta menos intensa – Porto Alegre 24 horas

Estudo indica grupo em que a CoronaVac gera resposta menos intensa

Pesquisadores recomendam uma dose de reforço entre esses vacinados
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Um estudo coordenado pela Faculdade de Medicina da USP descobriu que a vacina CoronaVac gera uma uma reação bem menos intensa em um grupo específico de vacinados.

A partir da análise de amostras de sangue, os pesquisadores observaram que apenas um terço dos homens acima de 55 anos tem uma resposta forte de anticorpos, ou das células contra o novo coronavírus.

O estudo com resultados preliminares apontou ainda que essa resposta já diminuída se acentua a partir dos 80 anos. Uma versão prévia do artigo científico foi publicada no site MedRXiv em 23 de agosto.

Por isso que os autores do trabalho recomendam que seja feita a aplicação de uma terceira dose de vacina para reforçar a resposta imune. A sugestão dos pesquisadores é que inicie a aplicação da dose de reforço em maiores de 80 anos, e, quando possível, em pessoas acima de 60 anos.

Terceira dose no País

Preocupado com o avanço da variante Delta, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga anunciou que a partir do dia 15 de setembro começará a ser aplicada a terceira dose da vacina contra a covid-19 em idosos com mais de 80 anos e imunossuprimidos que tomaram a segunda dose da vacina há pelo menos 21 dias. A informação foi adiantada ao jornal online Metrópoles.

De acordo com Queiroga, o imunizante escolhido pra dose de reforço será o da Pfizer.

A data escolhida para início da terceira dose considera que até lá toda a população com mais de 18 anos já tenha sido vacinada com pelo menos a primeira dose da vacina.

Antes disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já tinha recomendado ao Ministério da Saúde avaliar a possibilidade de dar da terceira dose em grupos específicos, como os imunocromprometidos e os idosos, especialmente acima dos 80 anos que tomaram a CoronaVac.

Os especialistas do órgão reafirmaram que a vacina produzida no Brasil pelo Instituto Butantan é eficaz e segura. “Importante lembrar que a vacina Coronavac tem um bom desempenho no Brasil, mas, inicialmente, não foi estudada em idosos e em pessoas gravemente imunocomprometidas, como, por exemplo, nos pacientes transplantados, pessoas que estão fazendo quimioterapia ou que estão tomando medicamentos imunossupressores”, explicou a diretora da Anvisa, Meiruze Sousa Freitas.

Via Catraca Livre

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade