Vinte e cinco novos controladores eletrônicos com capacidade de leitura de placas foram instalados na Capital e vão monitorar o trânsito pelo sistema chamado OCR (Optical Character Recognition) que identifica veículos em situação de furto ou roubo. Durante esta semana, os equipamentos passam por um período de testes e devem iniciar a fiscalização na terça-feira da semana que vem, 3 de novembro. Até 16 de novembro, outros 28 controladores com OCR serão instalados em Porto Alegre, aprimorando o cercamento eletrônico da cidade.

Desde o início da operação do cercamento eletrônico, em 2018, o índice de furto e roubo de veículos diminuiu 66% em Porto Alegre. O sistema monitora, em tempo real, cerca 1,5 milhões de registros diariamente, com acompanhamento pelo Centro Integrado de Comando do município e Estado. Os equipamentos dos novos controladores eletrônicos somam-se aos 68 locais do cercamento que o Município instalou recentemente, sendo 48 pontos em vias internas e 20 pontos nas entradas e saídas da cidade, totalizando 365 novas câmeras que ajudarão na segurança pública.

Controladores eletrônicos – A conscientização dos condutores sobre os perigos do excesso de velocidade é fundamental para redução das lesões e mortes no trânsito. Das 115 faixas de tráfego monitoradas anteriormente por pardais, em 87% houve redução da acidentalidade e na velocidade média de tráfego na região abrangida pelos equipamentos. Com base no importante resultado de redução do número de acidentes na região dos controladores já instalados e nos estudos técnicos que a EPTC realiza periodicamente, foram elencados oito novos pontos para instalação de pardais, passando de 115 para 132 faixas monitoradas por esse tipo de equipamento de controle eletrônico de velocidade em Porto Alegre.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o excesso de velocidade contribui para um em cada três acidentes de trânsito pelo mundo. Em Porto Alegre a situação não é diferente, conforme dados da Comissão de Análise dos Acidentes com Vítimas Fatais do Programa Vida no Trânsito (PVT) da EPTC. Do ano de 2012 até 2019, a Comissão analisou 778 acidentes que resultaram em 805 mortes e o principal fator risco identificado pela metodologia do PVT foi a velocidade excessiva ou inadequada, aparecendo em 33% dos casos.

Conduzir veículo em velocidade excessiva ou inadequada se constitui numa imprudência gravíssima, pois tem relação direta com a gravidade das lesões, bem como com os danos nos veículos e equipamentos urbanos. Os acidentes de trânsito continuam sendo a principal causa de morte de jovens de 15 a 29 anos, e o desrespeito aos limites de velocidade estabelecidos pelas autoridades tem relevância nestes dados tão preocupantes.

A OMS tem sugerido e incentivado as autoridades responsáveis pelo gerenciamento do trânsito a adoção de medidas de controle de velocidade, associada às ações educativas de mudança de comportamento, pois auxiliará na prevenção de lesões e mortes causadas por acidentes de trânsito.

Prefeitura Municipal de Porto Alegre