Ex-Pânico é pego em operação contra pedofilia

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





O humorista Marcelo Harada, 52, que já fez o “Japonês” do Programa Pânico e atualmente é do elenco do “Programa do Ratinho”, do SBT, foi detido na manhã da quinta-feira (17) em uma operação contra pedofilia organizada pelo Ministério Extraordinário da Segurança Pública  em parceria com as Polícias Civis do Distrito Federal e de 24 Estados.

Harada foi detido em sua casa. Em todo o país, foram cumpridos 579 mandados de busca e apreensão.

Em sua casa, na zona sul de São Paulo, foram encontrados HDs externos com fotografias de pornografia infantil.

Segundo a delegada e diretora do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), Elisabete Sato, o crime do humorista é afiançável, pois ele só armazenava e não compartilhava ou produzia o conteúdo pornográfico.




Após pagar uma fiança de R$ 1.000, Harada foi liberado, mas ele ainda terá que responder ao processo na Justiça.

“Quem armazena não está isento de ter uma investigação posterior da polícia. Porque aquele que armazena nada impede de que no futuro compartilhe, ou até produza, a pornografia infantil”, disse a delegada.

“Todos vocês conhecem minha idoneidade, vocês sabem que sou incapaz de fazer qualquer mal”, disse Harada em um vídeo publicado em seu perfil no Facebook para se defender das acusações (assista abaixo).

As informações obtidas durante quatro meses foram repassadas às Polícias Civis — em especial delegacias de proteção à criança e ao adolescente e repressão a crimes informáticos —, que instauraram inquéritos e solicitaram aos juízes locais a expedição dos mandados.




Em São Paulo, pelo menos 30 pessoas foram presas em flagrante — a maioria homens — até 9h30 desta quinta-feira. Em todo o Estado foram 166 mandados de busca e apreensão. Os acusados foram trazidos desde as 6h para o DHPP, na região central.

Entre os presos, havia jovens e idosos. Um dos homens mais velhos teria chegado com a cuidadora; outro portava cadeira de rodas. Computadores, CPUs, pendrives e celulares foram apreendidos e passarão por análise técnica dos peritos.