34% das 3.022 mortes violentas de 2017 no RS não foram esclarecidas – Porto Alegre 24 horas

34% das 3.022 mortes violentas de 2017 no RS não foram esclarecidas

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





Das 3.022 mortes violentas que aconteceram no Rio Grande do Sul em 2017, 1.046 ainda não foram elucidadas, o que representa 34% do total. O Estado está atrás apenas de São Paulo, que no período registrou 2.202 mortes sem resolução. Os dados constam no Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta quinta-feira.

O chefe da Polícia Civil Emerson Wendt explica que as causas das mortes seguem sendo investigadas pelo órgão. “Os delitos do ano passado que não são esclarecidos de imediato (34%) continuam em processo de investigação, assim como no ano passado investigamos e concluímos investigações dos anos anteriores”, explicou.




Dos casos elucidados, cerca de 80% têm como motivação o tráfico de drogas. Segundo Wendt, em média, 75% das vítimas têm antecedentes e pelo menos 45% delas já passaram pelo sistema prisional.

Atrás do RS, Goiás tem 1.002 mortes não esclarecidas. Os dados do estado goiano são compostos ainda por “encontro de ossada” e “encontro de cadáver”. Logo atrás, vem Mato Grosso (932), Ceará (759), Paraná (522) e Rio de Janeiro (423).

Na outra ponta da tabela, o Amapá tem apenas três casos em que a investigação ainda não apontou as causas da morte. O Distrito Federal aparece em segundo lugar com 7, contudo na região não há a classificação “morte a esclarecer”, por isso os dados informados são os que compõem a categoria “morte suspeita”.

Os dados do anuário foram fornecidos pelas Secretarias Estaduais de Segurança Pública, Defesa Social e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (Correio do Povo)



Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade