Foto: Divulgação/Polícia Civil

Morre mulher que irmã deixava dormir com rato e sem comida na região metropolitana

De acordo com a polícia, a irmã pegava o dinheiro da pensão que era da vítima

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Da GBC

Morreu na noite da última sexta-feira (30) a mulher de 33 anos cadeirante e portadora de doença degenerativa que vivia uma situação deplorável na própria casa, em Canoas. A irmã dela, que não teve a identidade divulgada, é acusada de tortura e maus-tratos.

A mulher estava internada no Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG).

Conforme a investigação feita pela Polícia Civil, a vítima foi encontrada em estado de saúde deplorável. A residência dela estava inabitável. Sem comida e no meio da sujeira, ela chegou a dormir com um rato morto, porque a irmã não limpou o local.

A acusada do crime foi presa na última sexta-feira (30). A principal suspeita é que ela tenha feito isso para se apropriar da pensão que a vítima ganha do governo federal. Além disso, a criminosa também batia com madeiras no sobrinho, que por ser menor de idade, não teve a identificação divulgada.

Os delegados responsáveis pelo caso ficaram consternados com a situação. “Jamais havia investigado situação com crueldade semelhante, jamais havia se deparado com tamanha violação ao princípio da dignidade humana”, afirma o delegado Rafael Pereira, titular da 1ª Delegacia de Polícia.

Já o delegado Pablo Queiroz Rocha, titular da Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA) ressalta que “o grau de desumanidade foi algo que revoltou e impulsionou o trabalho dos policiais.” Por fim, o diretor da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), delegado Mario Souza, relata que “foi a cena mais impressionante que já viu na Polícia Civil. Isso foi um crime contra toda a sociedade.”

Assistente social denunciou o caso

A Polícia Civil só ficou sabendo do caso, após a denúncia do assistente social, Júlio Cezar Pugliessi Picolotto. Ele foi acionado pela equipe de enfermagem assim que a jovem chegou ao hospital. Para demonstrar os diversos sinais de negligência, os profissionais fizeram um vídeo, que serviu de subsídio para a investigação policial.

Segundo Picolotto, a paciente apresentava desnutrição, machucados pelo corpo e tinha histórico de doenças como psoríase e lúpus. “Estamos acostumados a receber pacientes em situações críticas, mas nenhum em situação tão grave quanto essa jovem”, afirmou o assistente social. Ao chegar ao hospital, ela sofreu duas paradas cardíacas e precisou ser intubada. A paciente permanece em estado grave, segundo o diretor geral do HNSG, Juliano da Silva.

Para o Secretário de Segurança Pública de Canoas, delegado Emerson Wendt, a situação é desumana e estarrecedora. “Trabalhamos muito para enfrentar todos os tipos de violências no município, sobretudo, a doméstica e familiar através de programas de prevenção. Então, deparar com um caso assim é sempre desafiador profissional e pessoalmente, visto a gravidade da situação e a forma desumana pela qual essa jovem foi tratada pela própria família.”