Foto: Divulgação/Polícia Civil

Operação da Polícia Civil mira quadrilha que atacava bancos e lotéricas no Rio Grande do Sul

Mandados foram cumpridos em Porto Alegre, cidades da região metropolitana e Rio Pardo

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Na manhã desta segunda feira (10), a Polícia Civil, por meio da 1ª Delegacia de Polícia de Repressão a Roubos, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (1ª DR/Deic), desencadeou a “Operação Tatu”, no combate ao crime organizado, com o objetivo de reprimir crimes de furto qualificado praticados contra estabelecimentos bancários, lotéricas e afins.

Na ação, foram cumpridas diversas medidas cautelares, entre as quais indisponibilidade de bens (sequestro de veículos automotores e bloqueio de contas bancárias em nome dos investigados), 24 mandados de busca e apreensão e 16 mandados prisão temporária.

Além de Porto Alegre, as ordens judiciais foram cumpridas nas cidades de Porto Alegre, Canoas, Esteio, Alvorada, Novo Hamburgo e Rio Pardo.

Até o momento, 11 pessoas foram presas, bem como diversos objetos relacionados à investigação foram apreendidos.

No curso das investigações, apontou-se a existência de organização criminosa de atuação estadual, responsável pela prática de crimes de furto qualificado, visando à subtração de valores de estabelecimentos bancários, casas lotéricas e afins, sendo possível reunir indícios de autoria sobre a prática de 14 crimes de furto qualificado, ocorridos nas cidades de Novo Hamburgo, Canoas, Nova Santa Rita, Porto Alegre, Guaíba, Caxias do Sul, Portão, Terra de Areia e São Leopoldo.

Ainda, conforme apurado durante a investigação, o grupo devidamente organizado contaria com, pelo menos, 20 indivíduos, cada qual com a sua tarefa na ação criminosa, bem como mediante cooptação e coordenação por pontuais lideranças.

Participaram da ação de hoje 100 policiais civis. A operação recebeu o nome “Tatu” em alusão ao meio empregado pelos criminosos para o rompimento de obstáculos, que fazem furos nas paredes para ter acesso aos estabelecimentos.

As investigações prosseguem, sendo que mais informações poderão ser obtidas junto à 1ª DR/Deic (Avenida das Indústrias, 915, em Porto Alegre/RS), sob coordenação do delegado João Paulo de Abreu.