Polícia impede adolescente de realizar massacre em escola de Cabo Frio – Porto Alegre 24 horas

Polícia impede adolescente de realizar massacre em escola de Cabo Frio

O plano foi detectado pelo Laboratório de Inteligência Cibernética, do Ministério da Justiça, que avisou aos policiais da delegacia de Cabo Frio.
Foto: Reprodução

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

De: Folha dos Lagos
Os agentes da Polícia Civil da 126ª DP, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, apreenderam na manhã desta quinta-feira (06), um menor suspeito de planejar um ataque a uma escola pública.

De acordo com o delegado titular, Carlos Eduardo Almeida, o plano foi descoberto por integrantes do Laboratório de Inteligência Cibernética, do Ministério da Justiça, que detectou o planejamento do adolescente nas redes sociais.

Segundo o delegado, o laboratório de Brasília enviou a informação de que um massacre poderia acontecer. Então a polícia civil foi no dia de ontem (06) às 7 da manhã a locais apontados nos relatórios e encontrou o adolescente na casa dos pais, junto ao material que seria usado no atentado (botas nazistas, martelo, bombas caseiras, facas). Um caderno com ilustrações nazistas também foi apreendido.

O adolescente assumiu que iria cometer o atentado, e a mãe obviamente ficou chocada. O rapaz foi internado por ameaça terrorista, pois precisa ser retirado do convívio social e receber ajuda psiquiátrica. A polícia seguirá investigando os lugares que o rapaz frequentava na internet e se agia sozinho.

É exatamente isso que pedimos tanto que a polícia faça: que use a estrutura e a inteligência que tem para monitorar chans (fóruns anônimos) que são verdadeiros criadouros de terroristas misóginos e impedir que eles ajam. E que exista comunicação entre as várias polícias de cada estado.

Claro que, além da ação policial, é preciso um trabalho educativo para ver o que se passa na cabeça de meninos que são tão facilmente cooptados por grupos neonazistas. Os pais devem sempre conversar com os filhos, e deveria haver espaço nas escolas para diálogos francos contra os preconceitos. E é imprescindível que as plataformas na internet tenham responsabilidade sobre o que passam aos seus usuários.

De acordo com o delegado, em depoimento prestado na DP, o jovem admitiu que planejava o ataque. Ele foi apresentado ao Ministério Público e será internado, além de passar por tratamento psicológico. “Conseguimos impedir essa muito provável ocorrência que seria feita pelo adolescente.” -Afirma o delegado.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade