“Não estamos vivendo um momento de normalidade”, relembra governador em transmissão ao vivo

“Não estamos vivendo um momento de normalidade”, relembra governador em transmissão ao vivo

Leite apresentou indicadores das macrorregiões e o mapa definitivo da 29ª rodada do Distanciamento Controlado
Foto: Itamar Aguiar / Palacio Piratini

Compartilhe esta notícia

Como forma de manter a população gaúcha atualizada a respeito da evolução do coronavírus no Rio Grande do Sul, o governador Eduardo Leite realizou, na tarde desta segunda-feira (23/11), uma transmissão ao vivo (live) pelas redes sociais. Além de esclarecer dúvidas de jornalistas e de trazer dados referentes a cada uma das macrorregiões do Estado, Leite também apresentou o mapa definitivo da 29ª rodada do modelo de Distanciamento Controlado.

Uma vez que o Rio Grande do Sul vem observando um aumento de casos e de internações confirmadas por Covid-19, o governador ressaltou a importância da colaboração da população.

“É importante que as pessoas lembrem que não estamos vivendo um momento de normalidade. Temos um vírus que circula entre nós e é importante que as pessoas não se aglomerem e reduzam os contatos. Não estamos pedindo que fiquem trancadas em casa, pois sabemos que é importante que as pessoas circulem, para a saúde mental e para a economia, mas que, ao circularem, ajudem seguindo os protocolos. Assim, poderemos conviver com o vírus de forma segura até a chegada da vacina, sem sobrecarregar os hospitais”, afirmou Leite.

Na 29ª rodada do modelo de Distanciamento Controlado, o RS fica com oito regiões em bandeira vermelha (risco epidemiológico alto) e 13 em bandeira laranja (risco epidemiológico médio). As regiões em vermelho são Canoas, Capão da Canoa, Erechim, Ijuí, Novo Hamburgo, Palmeira das Missões, Passo Fundo e Uruguaiana. Veja o mapa definitivo em https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

O governador ainda reforçou o apelo à população ao destacar a vitória coletiva do Rio Grande do Sul. “Estamos diante de uma situação que inspira cuidados. O vírus, como disse, circula entre nós, é uma situação de disseminação crescente, e é muito importante que tenhamos consciência. Evitar aglomerações, festas ou eventos onde não haja os cuidados devidos, para não nos colocarmos em risco, nem as pessoas que conosco convivem”, destacou.

O Estado apresenta uma das menores taxas de letalidade por coronavírus – 57,1 óbitos a cada 100 mil habitantes, enquanto a taxa do Brasil é de 80,5. Para comparação, a taxa mais alta, do Distrito Federal, é de 128,2, e a mais baixa, de Minas Gerais, 46,2.

O RS também apresenta o menor excesso proporcional de óbitos do país: 3%. O excesso de óbitos identifica o diferencial do número de óbitos por causas naturais durante a pandemia em comparação com os óbitos esperados para o mesmo período. O excesso de óbitos mais alto, de 61%, foi encontrado no Amazonas.

Para reforçar a necessidade de colaboração e de cumprimento aos protocolos e às regras sanitárias, o governo do Estado lançou, na semana passada, a campanha publicitária #TeCuidaRS, com material em TV, rádio e internet. Com a proximidade da temporada de veraneio, a campanha será reforçada em outdoors localizados nas estradas que levam aos litorais Norte e Sul. (RS.Gov)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade