Foto: Rosimeri Coutinho/STF

Decisão de ministro indica que estado do RS não poderá passar professores à frente na fila da vacina

Os governadores podem promover alterações e adequações ao Plano Nacional de Vacinação para se adaptarem às suas realidades

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Direto da redação:
O pedido para que os professores passem à frente de outros grupos na fila da vacina no estado do Rio Grande do Sul, foi reiterado nesta segunda-feira (03) na audiência de conciliação proposta pela juíza Cristina Marquesan da Silva, e tem chances remotas de prosperar.

É o que se deduz da decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que liberava a vacinação antecipada de professores e policiais.

O ministro defendeu que gestores públicos podem responder a ações de improbidade caso atrasem na aplicação da segunda dose das vacinas contra a covid. A manifestação consta em decisão proferida para suspender decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro de validar decreto estadual que alterava a ordem de prioridades da imunização, incluindo policiais e professores entre os grupos prioritários.

De acordo com Lewandowski, os governadores podem promover alterações e adequações ao Plano Nacional de Vacinação para se adaptarem às suas realidades, mas devem garantir que a medida não prejudique a garantia da aplicação da segunda dose a quem já recebeu a primeira.