Foto: Jorge Bernal/AFP

PT lança manifesto pela aprovação da Sputnik e pede que a Anvisa ignore “pressão política”

A nota reivindica a compra da vacina Sputnik V, a qual não foi liberada pela Anvisa para uso emergencial no país.

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

De: Carta Capital
O Núcleo de Acompanhamento de Políticas Públicas e o Setorial Nacional de Saúde do PT (Partido dos Trabalhadores) lançaram um manifesto nesta 2ª feira (03) em defesa da vacina russa Sputnik V e em lamento à marca de 400 mil mortes por covid-19. A nota foi publicada no site da organização.

A declaração pede a vacinação em massa para que haja proteção individual e coletiva de toda a população brasileira e afirma que, “o governo Bolsonaro faz de tudo para dificultar a aquisição de vacinas”. O texto relembra as negociações de compra do imunizante da Pfizer, da Coronavac e do consórcio Covax Facility.

“Sua atuação (governo Bolsonaro) em relação à vacina Sputnik V é um retrato do descaso com a vida dos brasileiros. A posição do presidente Bolsonaro, do Ministério da Saúde e do Ministério das Relações Exteriores é de total inação em relação à vacina Sputnik V”.

O partido pede que a agência reguladora analise os dados para importação em caráter excepcional do imunizante russo, considerando as mesmas exigências efetuadas para outras vacinas. Em abril, a Anvisa negou permissão de importação e uso emergencial excepcional para 10 Estados comprarem a vacina Sputnik V. Técnicos identificaram falhas no desenvolvimento, na qualidade e na segurança do imunizante.

O Palácio do Planalto informou que não irá se manifestar sobre o conteúdo do manifesto. O Brasil só vacinou até agora pouco mais de 7% de sua população com duas doses de vacinas.

Além disso, estamos enfrentando a falta da vacina Coronavac para a 2ª dose em várias capitais. Dessa forma, só no segundo semestre de 2022 chegaremos a uma cobertura vacinal capaz de garantir segurança e controle da pandemia de Covid-19. Até lá, continuaremos submetidos a uma crise sanitária, econômica e social sem precedentes, onde quem mais sofre (e morre) são os mais pobres e vulneráveis.

É preciso uma ação proativa da Anvisa, porque a Anvisa é do Brasil. Trata-se de uma agência de Estado, imprescindível para a saúde dos brasileiros, mas que não pertencente ao governo Bolsonaro ou a qualquer outro.

Consideramos que a Anvisa, que analisou e aprovou o uso emergencial da CoronaVac, da AstraZeneca e da Janssen, e aprovou de forma definitiva a vacina da Pfizer, deve concluir com autonomia técnica e responsabilidade, a avaliação para importação e o uso excepcional da Sputnik V, garantindo a importação de 66 milhões de doses encomendada pelos Governadores através do Consorcio Nordeste, Centro-Norte e algumas prefeituras.

Entendemos que é fundamental a convocação do Comitê Técnico Temático de Produtos Biológicos e de Biotecnologia da Anvisa. E que outros cientistas brasileiros sejam convocados para analisar o caso e de forma isenta darem seus pareceres técnicos. O Brasil está ficando, a cada dia que passa, ainda mais no final da fila de compras e aquisição de vacinas.

É essencial garantir à Anvisa as condições para que busquem todas as informações sobre a Sputnik V. O estabelecimento de uma força tarefa, entre os Ministérios da Saúde e de Relações Exteriores do Brasil e da Rússia e suas Agências Reguladoras, e a participação ativa da Câmara dos Deputados e do Senado Federal na mediação dessa querela, torna-se fundamental para permitir que o Brasil tenha acesso e direito a mais vacinas.

“Cada vacina a menos é uma morte a mais.” -Completa o PT em nota.