Foto: Marcello Casal Jr | Agência Brasil

Onyx elogia postura do governo frente à pandemia, mas afirma que ‘ninguém enxerga’ isso

Ministro da Secretaria-geral da Presidência disse que o Brasil é um dos países com melhor desempenho no enfrentamento da Covid-19

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O ministro da Secretaria-geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, questionou os que afirmam que a popularidade do presidente Jair Bolsonaro está caindo. “Desgaste da popularidade com um milhão de motos é difícil, né? Sustentar esse discurso. Onde o presidente vai, ele arrasta multidões, é o presidente mais popular da história do Brasil.

Ele não tem que pagar lanche, não tem que desviar dinheiro público para carregar gente. Ele não precisa de sindicatos e organizações da esquerda que recebem dinheiro de fora do país para fazer mobilizações”, declarou. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Lorenzoni afirmou que a população sabe que “tem um presidente honesto, verdadeiro, que fala o que pensa e luta para transformar o Brasil de verdade”.

Para o ministro, o grande apoio ao presidente é fruto de um patriotismo que indica que a população volta a acreditar no país. “[Eles] tem esperança de que o Brasil seja aquilo que sempre sonhamos, onde se exerça a cidadania com absoluta liberdade — apesar da narrativa de parte da imprensa e da esquerda”, disse. Ele elogiou as atuações do governo federal frente à pandemia, mas afirmou que ninguém enxerga isso.

“O Brasil hoje é um dos países do mundo com melhor desempenho no enfrentamento da Covid-19, do ponto de vista de pessoas recuperadas e vacinadas. E hoje é um dos países que melhor recupera sua economia. Mas tudo isso ninguém enxerga. As pessoas têm muita saudade da época que se podia pegar US$ 17 bilhões do BNDES e fazer farra com grandes empreiteiras em países latino-americanos ou africanos apenas porque tinham a mesma identidade ideológica. É muita diferença e a população se deu conta disso.” (Jovem Pan)