Foto: Marcelo Camargo | Agência Brasil

Bolsonaro deve apresentar em agosto a reformulação dos programas sociais, diz João Roma

Ministro da Cidadania afirmou que a proposta vai abranger um número maior de pessoas e trazer ferramentas para garantir a ‘emancipação e capacitação’ dos beneficiários

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O governo federal planeja lançar um novo programa social em novembro, após o fim dos pagamentos do auxílio emergencial. A proposta é unificar outros projetos já existentes e apresentar a reformulação ainda em agosto. “Estamos formulando uma reforma dos programas sociais do governo, o presidente deve apresentar ainda em agosto essa reformulação dos programas sociais, que abrange o Bolsa Família“, explicou o ministro da Cidadania, João Roma, ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta quinta-feira, 15. Segundo ele, a ideia é que, além de um auxílio financeiro, o novo programa também capacite os beneficiários.

“Buscamos não apenas oferecer uma teia de proteção, como disponibilizar ferramentas para que a população consiga galgar novos espaços, visando a sua emancipação, com acesso ao mercado de trabalho, possibilidade de capacitação. Não apenas fortalecer a agricultura familiar, mas também avançar na pauta da segurança alimentar do nosso país”, pontuou.

Em ocasiões anteriores, o presidente Jair Bolsonaro afirmou o interesse de ampliar os pagamentos do Bolsa Família, chegando a R$ 300. Agora, segundo o João Roma, o Ministério da Cidadania trabalha com a equipe econômica para “chegar o mais próximo desse número”. Além do valor maior, a proposta é que o novo programa também contemple um número maior de brasileiros, passando de cerca de 14,5 milhões para pouco mais de 15,5 milhões.

“Visamos apresentar à população o novo programa, a reformulação dos programas sociais, de maneira mais robusta onde a gente consiga encontrar uma quantidade maior de pessoas. […] Queremos ampliar esses números de beneficiários do Bolsa Família com um programa mais fortalecido, não apenas em questão de valor, mas também em estrutura de programa para que as pessoas encontrem nesse programa ferramentas para melhorar sua qualidade de vida”, finalizou. (Jovem Pan)