Tribunal Superior Eleitoral faz nesta segunda-feira o sexto teste de segurança das urnas – Porto Alegre 24 horas

Tribunal Superior Eleitoral faz nesta segunda-feira o sexto teste de segurança das urnas

O objetivo é identificar fragilidades e falhas que poderiam colocar em risco a segurança do voto e a integridade das eleições
Foto: Reprodução

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Em mais uma etapa de avaliação da segurança dos equipamentos que serão usados nas eleições de 2022, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) faz, nesta segunda-feira (22), o sexto teste público de segurança das urnas eletrônicas. De acordo com a Corte, 26 investigadores vão colocar em prática 29 planos de ataque, para tentar desvirtuar a votação.

Confira nossos perfis no Instagram, TwitterFacebook e Telegram e tenha acesso a todas nossas notícias.

O objetivo é identificar fragilidades e falhas que poderiam colocar em risco a segurança do voto e a integridade das eleições. O procedimento ocorre desde 2009 e leva a mudanças nos softwares e hardwares das urnas sempre que algum novo risco é identificado.

A realização sempre antes da eleição é necessária por causa do avanço tecnológico, que cria novos mecanismos e ferramentas para invadir e alterar sistemas informatizados. “O sistema é aprimorado com o reforço da sua segurança diante de novas tecnologias que vão surgindo”, afirma o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE.

De acordo com o TSE, foi montada uma estrutura com “computadores, urnas, impressoras, ferramentas e insumos — montada em espaço exclusivo, com entrada controlada, monitorado por câmeras, no 3º andar do edifício-sede da Corte Eleitoral, em Brasília”. A complexidade do caso é tão elevada que os eventos que envolvem ataques e observação dos resultados vão durar cinco dias.

Planos de ataque

As fases dos testes começaram em outubro, quando os especialistas receberam o código-fonte da urna e do sistema eletrônico usado para a transmissão dos dados. Com isso, eles puderam elaborar planos de ataques — de acordo com eventuais fragilidades que possam prejudicar a votação.

Uma urna foi desmontada e eles puderam conhecer cada componente físico e virtual do equipamento. O TSE define a quais programas os atacantes vão ter acesso para tentar executar a investida. (O Sul)

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade