Empresa de Onyx Lorenzoni deve R$ 822 mil à União

Empresa de Onyx Lorenzoni deve R$ 822 mil à União

Pré-candidato ao governo do Rio Grande do Sul pelo PL comanda o Ministério do Trabalho extinto e recriado por Bolsonaro
Foto: Marcello Casal jr | Agência Brasil

Compartilhe esta notícia

Gilson Camargo

Extinto em 2018 e recriado em julho deste ano para acomodar Onyx Lorenzoni, um dos mais controversos e subservientes apoiadores de Jair Bolsonaro, o Ministério do Trabalho – ironicamente rebatizado como “Emprego e Previdência” em um momento de destruição das aposentadorias e recordes de desemprego, fome e miséria –, dispõe do maior orçamento de todas as áreas do governo, R$ 700 bilhões, e mais de 200 cargos ocupados por apoiadores e indicados pelo “Centrão”.

O veterinário gaúcho Onyx Lorenzoni, que comanda a pasta e recentemente anunciou que vai concorrer pelo PL ao governo do Rio Grande do Sul em 2022, é dono de uma empresa em Porto Alegre que tem dívidas tributárias com a União.

Lista suja da Fazenda

Os dados sobre sonegação de impostos são públicos e podem ser acessados no portal da Fazenda. A lista suja da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), aponta que a empresa Osvel Organização de Serviços Veterinários tem uma dívida de R$ 822.302,59 mil com a União desde o começo de 2019, quando Lorenzoni era ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro. São nove débitos tributários apontados pelo Fisco por falta de pagamento de tributos federais. Lorenzoni é o único dono e sócio da pet shop, que tem o nome fantasia Agropet Menino Deus.

De acordo com o jornalista Guilherme Amado, colunista do site Metrópoles, que deu em primeira mão o flagrante de sonegação de impostos por um ministro de Estado, o Ministério do Trabalho atribuiu as dívidas de Lorenzoni a “dificuldades” enfrentadas nos anos 1990 e questionou o valor registrado pela pasta da Economia.

“Como muitas das pequenas empresas do Brasil, a empresa citada também teve suas dificuldades no início dos anos 90. Tudo foi declarado ao fisco e a pendência está sendo tratada administrativamente e judicialmente, conforme certidão anexa de novembro de 2021, inclusive por existirem dúvidas quanto à exatidão do valor”, declarou em nota a pasta comanda por Onyx.

Ele já passou por quatro ministérios no governo Bolsonaro – sem contar a intensa atuação no “Gabinete do ódio”, o obscuro lobby negacionista e pró-cloroquina que atuou em paralelo ao Ministério da Saúde desde o início da pandemia. Ex-ministro da Cidadania e ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni foi indiciado no relatório final da CPI da Pandemia do Senado por incitação ao crime, crimes contra a humanidade nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos.

Mais noticias do Porto Alegre 24 horas

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade