Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News Entre no grupo do Whatsapp

Uma análise preliminar apontou que a vacina russa Sputnik V, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, tem 92% de eficácia contra a covid-19. Isso quer dizer que a pessoa tem 92% menos chance de ter a doença se for vacinada do que se não for.

O estudo está sendo realizado em Moscou com 40 mil voluntários. Segundo o governo russo, não houve eventos adversos inesperados durante os ensaios clínicos.

Para calcular a eficácia, os pesquisadores se basearam na confirmação de 20 casos de covid-19, que ocorreram tanto em voluntários que tomaram a primeira dose da vacina quanto naqueles que receberam o placebo (substância sem efeito).

Em agosto, a Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra a doença provocada pelo coronavírus para uso público. O registro gerou polêmica e muitas críticas porque aconteceu antes do início do teste em grande escala em setembro.

A Sputnik V é desenvolvida para ser administrada em duas doses no intervalo de 21 dias. Segundo a agência de notícias estatal da Rússia, o governo espera começar a vacinação em massa até o fim de 2020.

O anúncio da eficácia da vacina russa acontece na mesma semana em que a Pfizer comunicou que seu imunizante também demonstrou ser mais de 90% eficaz.

Acordo com o Brasil

A vacina russa possui um acordo com o governo do Paraná, que permitirá que sua produção possa acontecer no Brasil ainda neste ano. No mês passado, o fundo russo que financia o desenvolvimento da vacina comunicou que o processo de transferência de tecnologia já começou.

Além do Brasil, a produção da vacina russa também deve ocorrer na Coreia do Sul, na China e na Índia.

Fonte: Catracalivre