Foto: Freepik

Doses da vacina da AstraZeneca contra o coronavírus chegarão ao Brasil em janeiro, diz ministro da Saúde

Pazuello participou de audiência pública em comissão do Congresso Nacional

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quarta-feira (02) que as primeiras doses da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 chegarão ao Brasil em janeiro e fevereiro de 2021.

Ele ressaltou, em audiência pública na comissão do Congresso Nacional que acompanha as ações do governo relacionadas à crise do coronavírus, que o Executivo já liberou recursos para a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que tem acordo com a farmacêutica para receber os insumos farmacêuticos e produzir o imunizante no Brasil.

“Então, eu ressalto, para deixar claro, que, em janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses dessa Encomenda Tecnológica da AstraZeneca/Oxford com a Fiocruz”, disse Pazuello a parlamentares.

“E, no primeiro semestre, chegamos a 100 milhões de doses. No segundo semestre, já com a tecnologia transferida, pronta, nós poderemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí são 260 milhões de doses”, explicou.

O ministro lembrou que o contrato de Encomenda Tecnológica celebrado com a AstraZeneca “em um esforço de pesquisa e desenvolvimento com escalonamento da produção” irá permitir a disponibilização de 100 milhões de doses da vacina para o Brasil, além da transferência total de tecnologia.

Validade testes

Questionado sobre os testes RT-qPCR para o diagnóstico da Covid-19 estocados no aeroporto de Guarulhos (SP), com validade entre dezembro deste ano e janeiro de 2021, o ministro esclareceu que a validade de itens que compõem esses kits vão além desse prazo e podem chegar ao final de 2023.

“Sobre a caixa do kit, quando chegou, à época foi feito um registro inicial com a Anvisa e a empresa, dando uma validade pequena de oito meses, emergencial, para iniciar o uso. Essa validade inicial seria e será renovada, porque todos os componentes dos testes, como foi apresentado na comissão externa da Câmara, têm a validade muito mais estendida. Nós sempre soubemos disso. Isso não é uma novidade”, explicou Pazuello, acrescentando que o processo de revalidação já começou há muito tempo e que as discussões com a empresa e com a Anvisa são anteriores, não são de agora.

O Ministério da Saúde nega que sejam 6,68 milhões de testes estocados como divulgado pela imprensa. Segundo a pasta, 2,8 milhões de testes terão o período de validade estendido.

O Sul