Siga o Porto Alegre 24 Horas no Google News Entre no grupo do Whatsapp

Durante a pandemia do novo coronavírus, um assunto ganhou destaque: a suplementação de nutrientes, em especial das vitaminas D e C, supostamente para evitar a covid-19. O cenário vem preocupando as autoridades de saúde, que alertam para os prejuízos da ingestão excessiva dessas substâncias. Conforme adianta Helio Vannucchi, professor titular sênior da Divisão de Nutrologia do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, além dos riscos do consumo descontrolado, “ao que se conhece atualmente, nenhuma vitamina tem ação de tratamento ou prevenção na pandemia por covid-19”.

A vitamina D, já relacionada com a melhora da resposta imunológica, quando ingerida em excesso “pode causar aumento exagerado de íons de cálcio” que, depositados nas artérias e em órgãos como o rim, causam “lesões permanentes”; por isso, seu uso “não está inteiramente aceito”, conta Vannucchi. O indivíduo intoxicado por esse nutriente em excesso pode apresentar sintomas como náuseas, vômitos e aumento da pressão arterial. Segundo o especialista, é recomendado o consumo de 600 unidades internacionais diárias do nutriente, através de fontes alimentares, e 800 unidades para idosos e gestantes. Além disso, 15 minutos de exposição solar diariamente são suficiente para o organismo absorver a quantidade necessária de vitamina D.

A vitamina C, que também já foi especulada na prevenção do novo coronavírus, também tem eficácia descartada. Em excesso, a vitamina pode causar diarreia e, cronicamente, causar cálculos urinários. Nesse sentido, o professor lança um alerta à população: a suplementação vitamínica deve ser realizada apenas diante do diagnóstico clínico de deficiência, necessitando confirmação de “dosagens em laboratório”. É que cada nutriente deve ser absorvido pelo organismo em uma quantidade específica; quando um “limite superior” é ultrapassado, “a continuidade de ingestão em maiores doses pode provocar a hipervitaminose”, adianta o professor.

Vannucchi ainda informa que a intoxicação vitamínica acontece mais facilmente com as vitaminas lipossolúveis, A, D, E e K, que se dissolvem em gorduras, sendo seus excessos de difícil eliminação pelo organismo. Assim, como cada nutriente tem funções distintas, o excesso de cada um provoca consequências diferentes. Enquanto megadoses de vitamina E podem levar a fenômenos hemorrágicos e ao aumento da mortalidade no longo prazo, a vitamina K está ligada à “coagulação sanguínea”, afirma o especialista.

Já a vitamina A, conhecida por beneficiar a visão, pode causar “problemas neurológicos semelhantes à meningite e cefaleia intensa”, quando administrada em excesso, além de oferecer risco teratogênico (malformação do feto) para gestantes. Segundo Vannucchi, as hipervitaminoses mais graves são causadas pelas vitaminas A, D, E e C.

Tratamento para hipervitaminose

O procedimento para lidar com a intoxicação de vitaminas difere entre cada grupo de nutrientes. No caso dos hidrossolúveis (que se dissolvem em água), vitaminas B1, B2, B3, B6, B9, B12, o ácido pantotênico e a vitamina C, basta interromper a administração dos nutrientes, sem grandes problemas, pois seu excesso é excretado pelos rins e pela urina.

Já no caso dos lipossolúveis, além de suspender a ingestão das vitaminas, é preciso saber que “pode demorar semanas ou meses para retornar à normalidade” e, “enquanto isso, nada pode ser feito”. Ácido pantotênico e biotina, do grupo de vitaminas do complexo B, são nutrientes que não apresentam relatos de efeitos colaterais.

Vitória Pierri | Jornal da USP