Imagem: Freepik

Estudo explica como alcoolismo pode levar à disfunção erétil

Estudo brasileiro explica como alcoolismo pode levar à disfunção erétil

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Entre os prejuízos causados pelo consumo excessivo de álcool, pode estar o aumento de risco para surgimento de disfunção erétil. Um recente estudo da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, campus de Ribeirão Preto, revelou que a ingestão de bebidas alcoólicas reduz o fluxo sanguíneo na região do pênis e, consequentemente, dificulta a ereção.

Carlos Renato Tirapelli, professor da EERP-USP e um dos autores da pesquisa publicada no European Journal os Pharmacology, explica que a principal estrutura responsável pelo processo é o corpo cavernoso, músculo irrigado por pequenos vasos sanguíneos. Quando contraídos, o pênis fica no estado flácido; quando se dilatam, há maior circulação de sangue, levando à ereção.

Para chegar em suas descobertas, os cientistas realizaram análises laboratoriais e testes em roedores, disponibilizando aos mesmos uma solução com 20% de teor alcóolico. Após seis semanas, foi possível observar que “o etanol reduziu a vasodilatação, prejudicando o funcionamento da microcirculação peniana”, afirma Tirapelli. “Dessa forma, há o comprometimento do fluxo sanguíneo, o que poderia predispor à disfunção erétil.”

A partir dessa primeira constatação, os pesquisadores buscaram entender os mecanismos envolvidos no processo. O fato de o consumo excessivo de álcool elevar a chance de disfunção erétil é conhecido no ambiente científico. “O que fizemos foi esmiuçar os processos, comprovando, de fato, o que já havia sido descrito de uma maneira geral. Queríamos entender como isso ocorre”, diz o professor.

A principal substância que controla a contração e dilatação dos vasos sanguíneos é o óxido nítrico (NO), gás produzido pelas células que revestem a parede do vaso. O NO possui influência sobre os músculos que atuam na contração e relaxamento dos vasos; sua presença ativa mecanismos nas células musculares que induzem ao relaxamento e, consequentemente, ocorre a ereção. Tirapelli cita o Viagra (sildenafil), medicamento que induz o processo ao evitar a degradação do NO.

No entanto, a ingestão elevada de álcool provoca um processo chamado estresse oxidativo: há o aumento dos radicais livres, moléculas que, em excesso, reagem com o NO e impedem sua ação. “Como há o aumento dos radicais livres e diminuição do NO, o vaso fica mais contraído. E a tendência é que, nesses casos, o pênis se encontre em estado flácido”, diz o pesquisador.

“O estudo nos auxiliou a entender melhor os mecanismos prejudiciais e tóxicos do etanol”, afirma Tirapelli. “Conseguimos mostrar de uma maneira direta, e não só associativa, que o álcool tem ação negativa na microcirculação peniana tanto de maneira funcional quanto molecular.” O pesquisador ressalta que os achados podem se aplicar para casos de consumo crônico de bebidas alcoólicas, ou seja, quando há um consumo frequente e em grande quantidade.

O Sul