Foto: Laboratório Mont’Serrat | Divulgação

Laboratório gaúcho é o primeiro da região Sul a oferecer teste que mede nível de imunidade contra a Covid-19

Exame já identificou resposta imune mesmo após seis meses do surgimento da doença em alguns pacientes

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

A confirmação de reinfecções pelo SARS-CoV-2 e uma mutação deste vírus já identificada no país vêm deixando a população alerta neste início de ano. Diante do grande número de pessoas que já contraíram o coronavírus, a possibilidade de confirmar o nível de imunidade contra a doença pode trazer um pouco mais de tranquilidade. Esse é o objetivo de um teste inédito no Brasil e que já é oferecido na região Sul do Brasil pelo Laboratório Mont’Serrat, de Porto Alegre (RS).

Através da tecnologia Imunobiotech, é possível identificar a quantidade de anticorpos de defesa desenvolvidos contra a proteína viral que é responsável por conectar o vírus às células humanas. Com resultado em apenas seis horas, o exame tem um custo menor do que os testes rápidos que são utilizados normalmente. Além de apresentar resultado positivo ou negativo, o teste pode medir a concentração de anticorpos presentes na amostra — com uma altíssima sensibilidade de 98,2%.

“Pacientes com esses anticorpos em níveis elevados estarão realmente protegidos contra a infecção. Até o momento, evidências científicas indicam que esses anticorpos neutralizantes evitariam o desenvolvimento da doença novamente. Infelizmente, nem todos que a tiveram desenvolveram defesas suficientes para estarem efetivamente imunizados, por isso a importância desse tipo de exame”, destaca Janaina Scarton, diretora do Laboratório que é um dos mais tradicionais grupos gaúchos de exames e análises clínicas — com mais de 30 anos de atuação consolidada no mercado.

Os estudos realizados com pacientes que desenvolveram a covid-19, utilizando o ImunoScov19, mostraram que a maioria das pessoas mantém a resposta imune mesmo após seis meses do surgimento da doença. A especialista reforça que o teste muda o paradigma do coronavírus e a percepção da população sobre a pandemia. “Trata-se de um exame completamente diferente porque nos permite quantificar a resposta imunológica e estabelecer níveis de imunidade contra o vírus. Serve tanto para pessoas que já tiveram a covid-19 como para aquelas que não foram expostas à doença mas podem apresentar algum nível de imunidade cruzada contra o vírus”, completa Janaina, ao lembrar que as pessoas que participaram de protocolos de pesquisa das vacinas também acompanharam seus níveis de imunidade por meio desse teste.

A tecnologia usada no método de coleta de amostras é a mesma adotada há décadas para a realização do teste do pezinho em recém-nascidos. Pode ser feito pelo próprio paciente em casa, sem a necessidade de se deslocar até um laboratório ou hospital para a coleta. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3222.3000 ou pelo WhatsApp (51) 9 9379-9664.

Como funciona o ImunoScov19

O exame detecta a presença de anticorpos tipo IgG para a proteína S (spike) total — estrutura que fica na parte externa do vírus. A proteína S tem três componentes: S1 (responsável pela ligação do vírus ao receptor-ACE da célula humana), S2 (responsável pela entrada do vírus) e tronco (que liga as duas partes). Por ser responsável pela entrada do SARS-CoV-2 na célula humana, a proteína S estimula a produção de anticorpos IgG chamados neutralizantes, que bloqueiam a infecção do vírus no corpo. Pelas características da proteína recombinante utilizada no teste, as mutações virais até o momento descritas não interferem nos resultados.

Os estudos de padronização resultaram na criação de um algoritmo inovador que permite classificar os pacientes em quatro grupos distintos:

1. Pacientes sem anticorpos detectáveis (que representam 60,15% da população estudada).
2. Pacientes com nível 1 de imunidade cruzada (35,27% da população estudada).
3. Pacientes com nível 2 de imunidade cruzada (4,58% da população estudada).
4. Pacientes com anticorpos detectáveis pós-covid-19.