Modelo meteorológico indica calor de 50°C para o Rio Grande do Sul a partir da próxima semana; veja quais são as probabilidades – Porto Alegre 24 horas

Modelo meteorológico indica calor de 50°C para o Rio Grande do Sul a partir da próxima semana; veja quais são as probabilidades

Mesmo modelo prevê calor de 47°C para Porto Alegre. Se confirmado, dizimaria o recorde da capital de 40,8ºC de 1943
Foto: Brayan Martins/PMPA

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Da Metsul

O modelo meteorológico norte-americano GFS vem projetando temperaturas de até 47ºC na área de Porto Alegre e máximas perto de 50ºC no Rio Grande do Sul, Centro da Argentina e no Uruguai no final da próxima semana. Seria o maior calor de todos os tempos, a “mãe de todas as ondas de calor” com valores que dizimariam recordes de temperatura máxima que perduram por mais de um século e com recorrência talvez de milhares de anos.

Estes valores extraordinários, beirando o inimaginável, têm aparecido em vários sites e aplicativos que oferecem previsão do tempo gerada automaticamente por computador a partir de um ou mais modelos, sem intervenção de meteorologista.

Modelo GFS 0,25
Imagem: reprodução/Metsul

O que é um modelo meteorológico?

Segundo a Metsul, modelos meteorológicos são projeções feitas por supercomputadores que processam bilhões de cálculos a partir de equações matemáticas que são realizadas a cada número determinado de horas a partir de observações meteorológicas do mundo inteiro de satélites, estações de superfície e da atmosfera por sondagens realizadas por balões meteorológicos. Todos estes dados são inicializados no computador que processa e faz simulações futuras a partir deles.

Modelo, assim, é ferramenta de previsão do tempo, dado bruto, e não previsão do tempo final feita por meteorologista. Muitas vezes, os meteorologistas daqui e do exterior já observaram tais simulações indicarem muitos dias antes cenários fora da realidade como, por exemplo, múltiplos furacões simultâneos no Atlântico que jamais se concretizaram. Ou nevascas nos Estados Unidos com acumulações imensas que jamais ocorreram. A tecnologia de modelagem numérica avançou muito e é uma revolução na previsão do tempo, mas imperfeita.

Quando se faz uma previsão do tempo, não se utiliza apenas um modelo em particular, mas todo um conjunto de dados. Mundialmente, meteorologistas atentam muito às simulações do modelo ECMWF, europeu, que possui um índice de precisão maior que o norte-americano. Foi o que, com base em processamento de dados de satélites polares, conseguiu antecipar com precisão o posicionamento da tempestade Sandy que causou desastre na região de Nova York em 2012 ao passo que outras simulações foram incapazes de antecipar o que viria a ocorrer.

Calor absurdamente extremo em Porto Alegre?

Os especialistas da Metsul tratam com ceticismo a possibilidade de se confirmar a previsão de um calor de 47°C para Porto Alegre, porém, como modelos indicam essa situação, com certeza vale analisar a projeção.

A incredulidade na confirmação desse fato se dá, principalmente, pois uma máxima de 47ºC não apenas dizimaria o recorde de Porto Alegre de 40,8ºC de 1943, como também do Rio Grande do Sul de 42,6ºC de 19 de janeiro de 1917 (Alegrete) e 1º de janeiro de 1943 (Jaguarão). E não para aí. Quebraria o recorde do Brasil de 44,8ºC em 4 e 5 de novembro de 2020 em Nova Maringá, no Mato Grosso. Pior, ficaria perto do recorde de calor oficial da América do Sul reconhecido pela Organização Meteorológica Mundial (OMM/WMO) de 48,9ºC em Ridavia, na Argentina, em 11 de dezembro de 1905.

Segundo a Metsul, seria absurdamente fora de curva e um desvio gigantesco da climatologia, algo que somente poderia se esperar sob os piores cenários (hoje improváveis) de aquecimento planetário de 4ºC a 5ºC pelas projeções para o ano 2.100.

Cautela e atenção porque, mesmo que o modelo esteja exagerando, há uma sinalização de risco de um evento extremo. Nesse sentido, como explicado anteriormente, a previsão do tempo pelos meteorologistas não é feita valendo-se de um só modelo.

Em síntese, o risco de calor extremo na metade do mês é real, mas os valores apresentados pelo modelo GFS por ora duvidosos. Como calor muito extremo pode ter efeitos graves para a sociedade, inclusive para a saúde e a vida, é importante monitorar, ficar atento as noticias. A equipe da Metsul estará divulgando atualizações sempre que possíveis, e nós, do Porto Alegre 24 Horas estaremos repassando para nossos leitores.

Mais noticias do Porto Alegre 24 horas

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Para mais informações, incluindo como configurar as permissões dos cookies, consulte a nossa nova Políticas de privacidade