Uma pesquisa mostra que a população brasileira sabe como evitar o câncer mas não se previne contra a doença

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp





Uma pesquisa realizada pela Sboc (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica) constatou que o brasileiro tem um conhecimento razoável sobre o câncer, sabendo identificar alguns sintomas e fatores de risco, principalmente os de mama e de próstata. Dentre os 1,5 mil entrevistados em todo o País, 40% disseram ter conhecimento mediano sobre a doença e 26% afirmaram entender profundamente o assunto.

“As perguntas seguintes mostraram que as pessoas que disseram saber sobre o câncer, de fato tinham um conhecimento maior. Apesar disso, identificamos algumas lacunas no conhecimento da população que ainda precisam ser preenchidas”, afirma o diretor de comunicação da Sboc, Claúdio Ferrari.




Mesmo apontando o cigarro como um dos principais vilões (93%), a maioria dos entrevistados não conseguiu associar o sobrepeso (27%) e doenças sexualmente transmissíveis (26%) como possíveis causadores da doença. Além disso, os participantes mostraram desconhecer os cânceres de intestino e de colo do útero (veja informações sobre eles abaixo), que têm grande incidência sobre a população brasileira.

“No câncer é fundamental ter o diagnóstico precoce. Para que isso aconteça é preciso que as pessoas saibam identificar os sintomas e façam os exames preventivos, como a colonoscopia e o papanicolau”, exemplifica Ferrari. De acordo com o levantamento, os brasileiros em geral têm um entendimento adequado sobre como evitar o câncer, mas ainda há resistência na hora de adotar todas as medidas importantes para uma vida saudável.

Medo

Em outubro, a mesma pesquisa da Sboc concluiu que 41% dos brasileiros tem muito medo de ter câncer. Mas, apesar dessa preocupação (ou até mesmo por conta dela), 24% da população não faz exames preventivos. Para Ferrari, os temores não têm sido suficientes para mudar os hábitos de vida das pessoas: “O que faz mudar é o ganho de bem-estar ao passar a se alimentar melhor ou praticar uma atividade física, por exemplo”.




Os resultados apontam motivos variados: não ter plano de saúde, falta de tempo, receio de descobrir a doença. Homens costumam se cuidar menos do que as mulheres. E, ainda segundo a pesquisa, 50% dos entrevistados não praticam exercícios físicos e uma grande parcela também não associa doenças sexualmente transmissíveis ao câncer.

Na avaliação do presidente da Sboc, Sergio Simon, muitos pacientes acreditam em “chazinhos curativos”, o que atrasa tratamentos. “A desinformação de pacientes sobre a doença não é uma característica exclusivamente brasileira”, ressalva. Ainda segundo ele, é difícil fazer com que as pessoas entendam que tratamentos alternativos, como a fosfoetanolamina (conhecida popularmente como “pílula do câncer”), não têm ação significativa sobre a doença e não podem ser usados como primeira opção.




Simon ressalta, ainda, que vários médicos ainda não têm conhecimento suficiente sobre o câncer, que a partir de 2030 será o maior responsável por mortes no Brasil. “Então, ainda precisamos aumentar muito o número de oncologistas no País. Temos pouco mais de 2 mil profissionais para cuidar de 200 milhões de pessoas. É pouco”, avalia.

Ele acrescenta que, como a população está vivendo mais tempo e a incidência de vários tipos de câncer tem aumentado, o Brasil ainda precisa treinar e certificar um grande número de profissionais. (O Sul)