Especialistas dão dicas de como transformar a saudade em algo que pode fazer bem

Compartilhe esta notícia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on whatsapp

Palavra que só existe em português, sentimento que ecoa nos corações de pessoas que falam qualquer idioma. A saudade pode ser vista como uma grande dor — pela perda de alguém querido — ou como uma bela lembrança de um tempo bom. O sentimento é tão significante que ganhou até uma data no calendário: 30 de janeiro.

“A saudade é definida como um sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas. É por isso que dizem que saudade é a presença da ausência. Existe uma conotação de nostalgia quando se pensa em saudade”, explicou ao Jornal Extra a psicóloga e psicanalista Renata Bento.

Mesmo sendo retratada como um sentimento que dói, a saudade é a inspiração para diversas músicas e poemas. Mas é possível, sim, sentir dor física por causa dela. Além disso, a sensação de ausência pode desencadear alguns problemas de saúde.

“Ela pode fazer disparar uma depressão, sentimentos melancólicos ou outros fatores que podem prejudicar a saúde. A mente e o corpo caminham juntos. É possível que a dor da saudade seja sentida fisicamente”, afirmou Renata.

É preciso ficar alerta para que esse sentimento não deixe a pessoa “paralisada”. Em muitos casos, a ajuda de um psicólogo é fundamental para controlar a situação.

“Para evitar que a saudade interfira em nossa vida e na rotina de compromissos, devemos buscar compensar a lembrança antiga com novas experiências, tão ou mais prazerosas quanto as anteriores”, orientou Paula Emerick, neuropsicóloga e fundadora da Solace Institute.




Respeitar a dor do outro é fundamental
Perder ou se afastar de alguém, algo ou lugar gera um estado de luto e a saudade faz parte dele. Se você é próximo a alguém que está passando por um momento de sofrimento, uma dica importante: não menospreze a dor do outro.

“Esse momento de luto precisa ser vivido. Só ficamos de luto quando perdemos o que amamos muito. É preciso que as pessoas acolham quem está passando por esse momento. O sentimento de saudade não pode ser nem banalizado nem ridicularizado. Não se pode medir a dor do outro usando como parâmetro suas próprias dores. Quem é próximo precisa promover um ambiente propício à recuperação”, alertou Paula.

ALGO QUE FAZ BEM

Viver o luto
Seja qual for o motivo que faça você sentir saudade, haverá um momento de luto que deve ser vivido. Ele é importante para o processo de recuperação.

Arrumar uma distração
Durante o período de luto é importante procurar atividades que gerem prazer. Elas o ajudarão a desviar o foco da saudade.

Manter a vida normal
Apesar de ser bem difícil, tente manter a rotina da vida. Esta atitude o ajudará a conviver melhor com o período de luto.

Não se isolar
Manter contato com outras pessoas é fundamental. Fique perto de pessoas que podem ajudá-lo a superar a saudade.

Conversar sobre a saudade
É importante colocar o sentimento para fora. Guardá-lo não vai ajudar em nada. Converse com pessoas próximas sobre o que sente.

Evitar vícios
Algumas pessoas têm tendência de recorrer ao álcool e às drogas para tentar amenizar a dor da saudade. Fique longe dos vícios! Eles só vão piorar a situação.



Procurar ajuda profissional
Ter um acompanhamento psicológico desde o início ajuda no processo de transformação da saudade. Não exite em procurar um profissional.

Guardar o que foi bom
Ter em mente os aspectos ruins pode piorar a dor da saudade. Relembre momentos bons que você tem com aquela pessoa, animal ou lugar, e mantenha-os sempre frescos na memória.

Dar sentido à saudade
Que tal manter o legado daquela pessoa que se foi? As famílias do cantor Cazuza e do piloto de Fórmula 1 Ayrton Senna criaram instituições que ajudam quem precisa. O que aquela pessoa que você tanto ama gostaria que fosse feito para ajudar o próximo? Coloque em prática!